Voltar

Doença de alzheimer, a doença do século

A incidência do mal de alzheimer entre os indivíduos de mais de 65 anos vai aumentar em torno de 10% a cada nova década. Além disso, a longevidade fará com que aqueles que chegarem aos 90 anos tenham 50% de chance de desenvolver a doença.

O médico alemão Alois Alzheimer foi o primeiro a descrever a doença que leva seu nome em 1906. Para isso, ele examinou o cérebro de uma paciente que faleceu com demência. O que ele observou foi que boa parte do órgão ou havia desaparecido ou encontrava-se tomada por uma substância estranha.

Hoje, através de técnicas de imagem, já se sabe que essa substância que se deposita no cérebro do doente dificultando suas atividades é a proteína beta-amiloide, mas ainda não há tratamento definitivo para a doença. No entanto os novos exames estão definindo cada vez melhor as áreas cerebrais comprometidas e suas repercussões.

Segundo os relatos de familiares de doentes, os sintomas mais reconhecíveis da doença continuam a ser o esquecimento, a dificuldade em reconhecer pessoas e objetos e problemas de memória em geral.