Voltar

Coração feminino

No passado, falar de infarto do miocárdio em mulheres era uma raridade. Nos últimos 20 anos, as coisas mudaram muito, as mulheres foram para o mercado competitivo, fumaram e beberam mais, ganharam peso e ficaram muito estressadas.

Desta forma os eventos cardiovasculares aumentaram muito: tanto o infarto do miocardio como o derrame (AVC). Dos fatores de risco mais típicos, a depressão e a entrada na menopausa são muito importantes e necessitam de investigação prévia. Na menopausa, as mulheres perdem o hormônio estrógeno, que além de vasodilatador, reduz as taxas de colesterol ruim, o LDL. Além disso, as mulheres engordam, pois se tornam mais sedentárias e menos cuidadosas com a dieta.

Nas mulheres, os sintomas dos quadros agudos cardiológicos, como o infarto do miocárdio, são diferentes dos homens, fazendo com que elas demorem mais para procurar ajuda. A avaliação cardiológica não é tão frequente como a ginecológica, sempre realizada anualmente, pois elas não costumam achar que vão ser acometidas por quadros cardíacos.