Voltar

Psicocardiologia

As associações de psiquiatria e neuropsiquiatria sugeriram uma associação com os cardiologistas para propor uma nova subespecialidade: a cardiopsiquiatria ou psicocardiologia. Não é de hoje que os cardiologistas clínicos têm observado e descrito a presença de depressão em mais de 40% dos pacientes com doenças cardiovasculares. O mais relevante é que a depressão e a ansiedade são fatores de risco para o infarto do miocárdio e o derrame (AVC) tão influentes quanto o colesterol alto no sangue, a diabetes e a obesidade.

Os especialistas explicam que a depressão funciona como gatilho para a inflamação que constitui a doença das artérias (aterosclerose), e essa mesma doença favorece a depressão e outras doenças cardiovasculares, formando um ciclo vicioso. Não há mais dúvida que o estado psicológico é um fator importante no desencadeamento das doenças de um modo geral.