Voltar

Quem diria, a meditação contribui para o tratamento das doenças

Muitas são as pesquisas que sugerem que a meditação pode trazer benefícios para o controle da dor, a ansiedade e as consequências do estresse emocional.

As evidências da ação terapêutica da meditação têm sido observadas por grupos internacionais que vêm monitorando portadores de câncer, problemas gástricos e dores crônicas. As descobertas mostraram que, quando submetidos a sessões de meditação, houve uma alteração do foco da atenção dos doentes, reduzindo a ansiedade e o uso de medicamentos.

A explicação seria que a dor está muito ligada aos fenômenos psicológicos que envolvem o medo da dor. Desta forma a meditação conseguiu gerenciar o fenômeno, evitando a sensação exagerada ou antecipada da dor. Os trabalhos mostraram redução de 40% dos fenômenos dolorosos nos pacientes que realizaram as sessões de meditação.

Os chamados hormônios do estresse (adrenalina e cortisol) são inibidos quando conseguimos aliviar a nossa mente das tensões. Podemos ainda conseguir a produção das endorfinas cerebrais que nos trazem tranquilidade e diminuição das dores. Um dos efeitos mais interessantes da meditação é a melhora do sistema imunológico que defende o nosso organismo das infecções. Não há dúvida que a saúde e a longevidade não serão conseguidas só com meditação.

Tratamentos com medicação adequada e moderna, procedimentos médicos bem orientados e muito cuidado com a qualidade de vida são as sugestões para o futuro.