Voltar

Ter vida saudável: decisão dos mais inteligentes

As avaliações da inteligência dos indivíduos vêm sendo criticadas há muitos anos, pois o chamado teste do QI (quociente de inteligência) perdeu sua força como ferramenta de avaliação quando surgiram os conceitos de inteligências múltiplas.

A mais importante descoberta nessas avaliações foi descrita há dez anos por um pesquisador escocês que analisou um grupo de pessoas que haviam feito um teste de QI há mais de 60 anos. O cientista descobriu que as crianças que tinham obtido QIs mais altos tinham vivido mais que os com resultados piores. O achado é polêmico, mas algumas hipóteses podem ser levantadas do porquê destas pessoas viverem mais. Inicialmente podemos sugerir que pessoas inteligentes são mais saudáveis, pois evitam os fatores de risco conhecidos e assim tomam as decisões individuais mais adequadas. Outra possibilidade seria de que pessoas com melhor QI teriam melhores condições de vida, pois conseguiriam estudar e trabalhar com maiores ganhos.

Assim também as crianças com mais inteligência teriam sofrido menos na infância e não teriam sequelas físicas e sociais graves.

A conclusão é que devemos manter a nossa vida o mais saudável possível, pois muito inteligentes ou não, só nos resta agora esta alternativa.