Voltar

Empatia: já nascemos com ela

Estudos americanos com bebês sugerem que, desde pequenos, os homens têm um instinto de fazer o bem. Seria como se fôssemos programados para responder cooperando com as pessoas que nos cercam.

Através da ressonância magnética é possível observar uma grande atividade nos centros de prazer do cérebro quando ajudamos os outros. Os estudiosos acreditam que a religião pode ter colaborado para este fato, mas em algum momento a necessidade do grupo esteve acima dos interesses próprios.

A empatia é a capacidade de poder interagir com as pessoas, e pelas observações dos pesquisadores ela nos acompanha durante a vida. A ecologia talvez seja um bom exemplo, pois as pessoas se unem para salvar o planeta, se ainda for possível, pois este está em perigo. Desta forma, estas observações nos trazem algumas esperanças, pois a nossa capacidade biológica é a nossa grande força.

A interminável luta pelo poder, dinheiro, trazendo violência e corrupção, talvez possa ser minimizada pelo poder e o prazer da empatia.