Voltar

Inimigos do coração: raiva e competição

A observação clínica nos mostra a importância das situações emocionais como as causadas pelo estresse para o desencadeamento das doenças cardiológicas.

Um trabalho recente publicado no Jornal Americano de Cardiologia fez um levantamento que corrobora as nossas constatações clínicas. O trabalho mostra que as pessoas com estados frequentes de raiva e agressividade apresentam quase 20% a mais de chance de serem acometidas de um quadro agudo cardiovascular (infarto, derrame ou arritmias). As pessoas já portadoras de algum fator de risco para doenças do coração aumentam para 24% a chance do evento cardiovascular.

Nos momentos de tensão exagerada são liberadas substâncias como adrenalina e cortisol (hormônios do estresse), aumentando a frequência cardíaca, o consumo de oxigênio e elevando a pressão arterial. Desta forma podemos apresentar arritmias graves, crises hipertensivas que podem levar ao derrame (acidente vascular cerebral) e até ao infarto do miocárdio (se a reserva das artérias coronárias já estiver comprometida). Os pesquisadores relatam que os indivíduos muito agressivos e competitivos podem ter hábitos inadequados, dormindo mal, não conseguindo fazer exercícios, fumando, bebendo álcool exageradamente e tendo uma alimentação desbalanceada.

Assim, o equilíbrio emocional é um fator muito importante na prevenção das doenças cardiológicas, pois o coração é extremamente sensível aos movimentos dos humores e afetos.